Minicursos

As inscrições nos minicursos via internet poderão ser realizadas enquanto houverem vagas disponíveis . Para inscrever-se, a(o) interessada(o) deverá cadastrar-se por meio do formulário disponível no link abaixo. Informamos que serão oferecidas somente 10 vagas por minicurso

O pagamento da inscrição nos minicursos deverá ser feito por meio de depósito ou transferência bancária.

Caixa Econômica Federal

Agência: 0112

Operação: 013

Conta-Poupança: 15726-1

Favorecido: Empresa Júnior Arbórea Florestal – CNPJ 14.820.590/0001-03

Realizar depósito e anexar o comprovante no formulário.

Link para acessar o formulário: https://forms.gle/fjJ9jzCABcjJLSi56

ATENÇÃO

Para os que efetuarem um depósito único com o valor de inscrição no evento mais a taxa relativa ao minicurso, basta anexar o comprovante novamente.

Conheça os Minicursos

Minicurso Ministrante Descrição resumida Carga Horária Data
MC 1 Análise de dados em estudo de fenologia Darliana da Costa Fonseca Abordará as análises estatísticas e representações gráficas utilizadas em estudos fenológicos e sua interpretação. Serão abordadas análises utilizadas para avaliar dados de intensidade, presença/ausência e sincronia fenológica. 8H 25 e 26/09
MC 2 Bioprospecção da flora Rupestre no Médio Espinhaço Otávio Batista de Castro Ribeiro (Rupestris Biotecnologia) Expor processos de bioprospecção de espécies da flora rupestre, experiências bem sucedidas, tópicos de cultivo, estudos de casos específicos. 4H 26/09/2019
MC 3 Coleta, Herborização, Taxonomia e Conservação de Espécies da Família Cactaceae Prof. Marianna Rodrigues Santos (IFNMG) Serão abordados: taxonomia da família Cactaceae para o Brasil, características importantes para identificação das suas espécies, Métodos e Coleta e Herborização, e o Status de Conservação da família. 8H 25 e 26/09
MC 4 Introdução a Práticas Anatômicas em Tecido Vegetal Cássia Michelle Cabral (UFVJM) Proporcionar aos interessados o conhecimento de lacunas teórico-práticas sobre a preparação de material para estudos anatômicos de tecidos vegetais, assim como, despertar o interesse de profissionais e estudantes sobre a importância que essas práticas podem ter no dia-a-dia. Serão apresentados conteúdos referentes a coleta, cortes e preparação de material para estudos anatômicos de folha, caule, raízes. Cortes histológicos serão feitos para observação da anatomia interna e identificação de tecidos vegetais. 8H 25 e 26/09
MC 5 Reconhecimento dos principais gêneros endêmicos de Asteraceae do Planalto de Diamantina Danilo Marques, Silvana Ferreira, Marcelo Monge (UFU) Trazer aos participantes o conhecimento dos principais gêneros Asteraceae de Diamantina. Por meio de chaves de identificação, material fresco e de herbário, os alunos reconhecerão os gêneros do Planalto de Diamantina. 8H 25 e 26/09
MC 6 Taxonomia e identificação de Melastomataceae Prof. Rosana Romero (UFU) Classificação da família Melastomataceae com base nos estudos filogenéticos dos principais clados; caracterização morfológica de gêneros que ocorrem nos campos rupestres do Brasil, com enfoque na Serra do Espinhaço; treinamento na identificação de gêneros e espécies da família Melastomataceae depositados no herbário DIAM. 8H 25 e 26/09
MC 7 Licenciamento Ambiental – Estudos Relacionados a Botânica (Flora) Thiago dos Santos Coser (Biocev) Caracterização do Licenciamento Ambiental e o entendimento de como ele ocorre, com foco nas principais etapas e estudos. Descrever e exemplificar os diferentes estudos de botânica (Flora) realizados na caracterização do empreendimento, levantamento dos impactos ambientais e medidas mitigatórias. Apresentar aspectos financeiros e discutir a carência de bons profissionais no mercado,e as oportunidades existentes na área da Botânica. 4H 25/09/2019
MC 8 O QUE FAZ DE UM CACTO UM CACTO? PATRICIA SOFFIATTI (UFPR) Como é um cacto por dentro? Como é a organização básica da estrutura do seu caule? Como o caule das Cactáceas assume funções de sustentação, fotossíntese a armazenamento de água? Estas perguntas serão respondidas a partir da coleta e preparo de secções anatômicas de algumas espécies de Cactaceae típicas da Cadeia do Espinhaço. Por meio de técnicas usuais em anatomia vegetal será feito a observação e descrição da estrutura caulinar e identificação das principais características, correlacionando a forma e a função da família. 4H 26/09/2019
MC 9 Morfoanatomia foliar na identificação de palmeiras anãs Bruno Francisco Sant’Anna dos Santos (UFPR) Abordaremos o uso de técnicas anatômicas simples e rápidas para a distinção de espécies acaulescentes que ocorrem na Cadeia do Espinhaço. Discutiremos os resultados já alcançados para espécies do gênero Butia, Allagoptera e Syagrus, privilegiando os grupos da Cadeia do Espinhaço. Os inscritos serão orientados a como utilizar os caracteres de amostras herborizadas de forma não destrutiva na identificação. Além disso, mostraremos que a partir de um pequeno fragmento foliar do material herborizado, obtem-se informações práticas e rápidas essenciais para a distinção dos grupos. 4H 25/09/2019
MC 10 Plantas são fenomenais!!! Letícia Carolina Teixeira Pádua (UFVJM) Apresentação da proposta de abordagem fenomenológica para o trabalho com plantas a partir do conhecimento do mundo-da-vida e dos sentidos. O uso do tato, olfato, audição e paladar na relação com as plantas e caracterização de biomas. 4H 26/09/2019
MC 11 Inspir’Ação / Técnica de pintura botânica aplicada em tecido. Ana Angélica Santos e Lorena Torres Oporto (Biotrópicos) Pretende-se sensibilizar e popularizar a botânica da Serra do Espinhaço através da arte.rupestres da Serra do Espinhaço e de uma prática de pintura em tecido com o uso de giz de cera que podem ser amplamente utilizada como práticas do ensino de botânica e áreas afins. 4H 25/09/2019
MC 12 Procedimentos e métodos de amostragem da vegetação Thaís Ribeiro Costa (UFVJM) A conservação implica, necessariamente, em estudar a biodiversidade alvo da preservação. O intuito desde minicurso é aprimorar de forma prática conhecimento de práticas em campo de alocação de parcelas, levantamento fitossociológico e medição de caracteres quantitativos da vegetação. O minicurso será realizado em duas etapas. A primeira, envolverá alocação de parcelas em campo, identificação botânica de plantas, obtenção de características qualitativas (status fitossanitário, presença de bifurcação, etc) e mensuração de características (circunferência à altura do peito – CAP, estimação de altura, etc). A segunda etapa deverá será feito o processamento de dados no Excel. Será realizada a tabulação de dados e cálculos básicos de variáveis ecológicas (frequência,
dominância, densidade), a interpretação desses dados e suas implicações na conservação da biodiversidade.
8H 25 e 26/09
MC 13 O que é, e como fazer lâminas de grãos de pólen? Ana Carolina Pereira Machado, Matheus Augusto Oliveira Souza e Dayane Christina Moreira Ferreira (UFVJM) É notável a importância dos grãos de pólen para as espécies botânicas, visto isto, se torna extremamente relevante um conhecimento aprofundado e difundido destas estruturas ímpares. Diante disto, este minicurso tem como objetivo, passar um pouco de conhecimento quanto aos grãos de pólen, bem como, ensinar noções básicas de produção de lâminas, observação da exina e, a partir desta, identificação da família botânica a qual pertence. 8H 25 e 26/09
MC 14 Morfologia e Taxonomia de Cyperaceae Rafael Trevisan (UFSC) Estudo da morfologia externa da família Cyperaceae. Diferenciação de famílias morfologicamente próximas. Caracterização e identificação dos gêneros mais comuns na flora brasileira. 8H 25 e 26/09
MC 15 Estruturas secretoras florais: uma abordagem morfofuncional Miller Melo Sanches e Analu Zanotti (UFV) ESGOTADO 8H 25 e 26/09